Conta Coisas

Bando das Gaitas é de Lousada e quer "desconfinar em grande"

José Rocha

28-04-2021

O conjunto é composto por 11 elementos, dez dos quais lousadenses, e quer comemorar o 10.º aniversário de forma especial. Leia a entrevista.

Uma autêntica equipa de futebol! Assim se pode descrever o Bando das Gaitas, conjunto musical que, desde há quase uma década, anima a região do Tâmega e Sousa através dos seus 11 elementos: Joana Ferreira, Cristina Baptista, João Fernandes, Daniel Batista, Hugo Barbosa, Fábio Ribeiro, Samuel Malheiro, João Neto, Gabriel Lopes, Zé Stark e Fábio Mota. Todos eles têm entre 20 e 27 anos e, à exceção de um membro, são naturais do concelho de Lousada.

Coube à jovem Cristina Baptista assumir o papel de porta-voz da banda, a qual, como forma de comemorar uma década de existência, gostaria de gravar um álbum com alguns solistas convidados. “Os dez ano do Bando das Gaitas vem numa altura em que todos estamos com saudades de uma grande festividade e, a nosso ver, nada melhor do que um projeto destes para desconfinar”, confidenciou a lousadense. Leia de seguida a entrevista completa.

- Quando foi criada a banda e o que vos levou a fazê-lo?

O Bando das Gaitas foi criado em 2012 com o intuito de participar num cortejo que se realiza sempre na terça-feira de carnaval, naquela altura havia outra banda do género e a intenção era criar uma espécie de concorrência saudável e amigável. Ao serem bem-sucedidos, as propostas de trabalho foram surgindo, tais como: animação de corridas, festas populares, feiras temáticas, festas particulares e, até mesmo, a participação numa peça teatral da companhia Jangada Teatro e da Rota do Românico intitulada “O Grande Cortejo”. A colaboração com a companhia de teatro ajudou a solidificar e oficializar o projeto “Bando das Gaitas”.

- Que género musical vos define?

O Bando das Gaitas ao longo do seu percurso e crescimento foi se deixando influenciar pelas brass bands mais mediáticas da atualidade, como Rebirth Brass Band, The Roots e YoungBlood Brass Band, foram as principais influências à criação e inspiração artística do Bando das Gaitas, tendo assim um reportório composto maioritariamente por músicas conhecidas com arranjos adaptados à devida formação instrumental. Killing Me Softly, Sweet Dreams, James Bond Theme e Uptown Funk são alguns dos exemplos.

Mais tarde, o grupo procurou a ter uma maior diversidade estilística, incluindo abordagens à música tradicional dos Balcãs, ao funk, ao pop e até ao dixieland. O grupo procura ser o mais versátil possível, tocando vários géneros musicais assim obtendo um público mais abrangente.

Que trabalhos fizeram até ao momento?

Como referimos anteriormente, o Bando das Gaitas oficializou a banda numa peça teatral da companhia Jangada Teatro e da Rota do Românico intitulada “O Grande Cortejo” em 2012. Ganhando assim experiência e método de trabalho como banda, começaram então a trabalhar em arranjos específicos para a sua formação.

Em 2014 o Bando foi convidado a participar na abertura do Festival Internacional de Artes do Espetáculo de Lousada – Folia´14. No ano seguinte, o grupo começou a ter uma maior diversidade estilística, incluindo abordagens à música tradicional dos Balcãs, ao funk, ao pop e até ao dixieland. Ainda em 2015 foi convidado para participar no Atlantikaldia, um festival de música dos povos do Atlântico realizado em Errenteria, no País Basco, aproveitando a ocasião para começar a escrever música original e também uma peça teatromusical de comédia intitulada “O Canal do Bando das Gaitas”.

Com a sua evolução e crescimento, o Bando começou a ganhar destaque a nível nacional, surgindo concertos por vários pontos do país, tais como: Albufeira, Fundão, Viseu, Vila Real, Mondim de Basto, Monção, Melgaço, Esposende, Oliveira de Azeméis, Ourém, Setúbal, Miranda do Douro e muitos outros concelhos. No ano 2018, tentados a criar algo diferente e dinamizar o projeto, é decidida a gravação de duas músicas com videoclip. São elas Where is the Love, de banda estadunidense The Black Eyes Peas, e uma original chamada Just Passing Time, adquirindo, assim, toda uma nova experiência e conhecimento num meio que era totalmente desconhecido.

Os lançamentos dos singles tiveram um impacto bastante satisfatório e motivante não só para o grupo, mas também para os seus ouvistes, contribuindo para uma maior visibilidade. E como tal, o Bando das Gaitas continuou a conhecer novas cidades e dar encanto às suas ruas!

No ano 2020, em parceria com as companhias Associação Cultural Astro Fingido, Jangada Teatro, Mandrágora Teatro, Academia InDance, volta ao mundo da encenação com o espetáculo “Terra Queimada”. Este projeto nasceu no âmbito de uma candidatura ao concurso “Não Brinques com o Fogo”, uma iniciativa dos Fogos Rurais – AGIF e da Direção Regional de Cultura do Norte – DRCN.

Sendo um ano atípico, o Bando viu todos os seus concertos a serem cancelados, mas, não se deixando vencer pela pandemia, aproveitou para voltar a gravar novos singles e videoclips. Cumprindo todas as normas da DGS gravaram, então, I´m So Excited, das Pointer Sisters, e Let Me Entertain You, de Robbie Williams.

Ao terminar o ano ímprobo e com os músicos cheios de vontade de voltar aos palcos, surge o convite para a sua estreia no mundo televisivo numa emissão especial no dia 2 de janeiro de 2021, “Em casa – Sozinhos em Casa” no Canal da TVI. Em abril, aproveitando o lançamento do single de Robbie Williams, Let Me Entertain You, surge um convite da RTP para a participação no programa televisivo “Praça da Alegria”, tendo múltiplas atuações no decorrer do programa e aproveitando a oportunidade para dar a conhecer ao grande público português as mecânicas dos vários instrumentos, a sua própria formação e história.

- O que procuram transmitir através da vossa música?

O conceito “Street Band” era totalmente desconhecido nesta região: os instrumentos musicais ditos como “clássicos” eram apenas entendidos em contextos orquestrais ou em bandas filarmónicas. O grupo, ao longo dos anos, conseguiu mudar essa ideia cativando também apreciadores de música Pop ao adicionar alguns covers no seu reportório comercial tais como: “Where is The Love” de The Black Eyes Peas; “Let Me Entertain You” de Robbie Williams e “Shake Your Body Down To The Ground” de Michael Jackson.

Bando procura, então, tornar-se uma referência para um público de todas as faixas etárias mostrando que, como outras áreas, a música é uma arte diversificada.

- Qual impacto da pandemia no vosso trabalho?

O Bando das Gaitas como os seus músicos viram todos os seus concertos a serem adiados e mais tarde cancelados. Para grande parte destes jovens, a música é a sua fonte de rendimento.

Apesar destes últimos dois anos tenham sido muito difíceis, ainda temos uma caminhada muito grande pela frente, porque vai demorar algum tempo até as pessoas poderem e quererem ir assistir novamente a concertos. Nesta fase pandémica ainda não podemos prever quando vai voltar a haver festas, romarias e festivais com grandes dimensões, é quase certo que este ano não haverá nada...

- Qual o vosso maior sonho enquanto banda?

O Bando das Gaitas no próximo ano, 2022, faz 10 anos de existência e para comemorar esse evento tão especial gostaríamos de gravar um álbum com alguns solistas convidados. A realização deste projeto, proporcionará uma experiência única aos músicos envolvidos, e criar um álbum diferente do que todos estamos habituados a ouvir mas ao mesmo tempo fazer crescer este conceito em Portugal.

O conceito americano de “Streetband” é relativamente recente em Portugal, então é altura de crescer e mostrar o mesmo. Pretende-se que este álbum tenha os formatos físico e digital para que o alcance seja maior. Os dez anos do Bando das Gaitas vem numa altura em que todos estamos com saudades de uma grande festividade e, a nosso ver, nada melhor do que um projeto destes para desconfinar!

Siga o Bando das Gaitas no Facebook e veja de seguida uma amostra do seu trabalho.