As bitcoins e outras criptomoedas – “cripto” porque todo o processo de transação das moedas é criptografado de forma a garantir a segurança dos dados – e a criptoeconomia são conceitos que já estão no dia a dia de quem vive no mundo online e está atento aos seus desenvolvimentos. Mas como trabalhar com estas novidades na forma de transacionar dinheiro?

Antes disso, é importante perceber que, ao contrário das tradicionais moedas em formato físico, as bitcoins, por exemplo, são uma forma de moeda digital, criada e detida de forma eletrónica, produzidas por pessoas a operar em computadores em todo o mundo que utilizam um software que resolve problemas matemáticos.

Neste caso, além de a quantidade de bitcoins ser limitada, não existe um banco de bitcoins, o que existe é um livro independente de liquidações que fornece informações sobre o estatuto de propriedade de todos os seus utilizadores e o historial de transações entre eles.

E o que influencia o valor das bitcoins? Estas são as criptomoedas mais populares, por isso, o aumento da procura por capacidade de computação pode ter feito aumentar o valor da bitcoin; se houver algum tipo de tensão geopolítica ou se os traders perderem a confiança nas moedas tradicionais, a bitcoin vai valorizar.

Para investir neste meio, é necessário aceder ao mercado Forex (“Foreign Exchange Market”), onde as transações feitas não envolvem ações, mas sim moedas (incluindo criptomoedas), que são sempre negociadas aos pares, trocando o valor de uma pelo valor de outra. Quem concede esse acesso são as empresas corretoras e outras instituições financeiras  – pode saber mais informação aqui – que lidam com o mercado de moedas. 

É aconselhável selecionar entidades diferenciadas com uma condição de mercado estável, vários anos de histórico nos mercados, fiscalizado por reguladores competentes, com permissões ou licenças de operação; e, acima de tudo, entidades cuja oferta atenda às expectativas do investidor.

Depois disso, o acesso é feito através de uma plataforma de negociação, que consiste num software de computador ou telemóvel disponibilizado pelas corretoras, que permite a negociação nos mercados financeiros via conexão online.

A escolha da plataforma mais adequada, que corresponde às preferências individuais do investidor, deve ser eficiente, rápida e confiável, oferecendo acesso a vários instrumentos e várias funcionalidades adicionais que facilitam análises mais precisas.