Clara Rodrigues sempre foi uma aluna “focada” e com objetivos “bem definidos”. Características que a levaram, ao longo de todo o percurso escolar, a dar o “melhor” e que resultaram na distinção de uma das melhores alunas, do 12.º ano, no último ano letivo, da Escola Secundária de Penafiel.

Terminou com média de 20 valores e reconhece que este resultado foi uma “consequência do compromisso pessoal com um trabalho contínuo. Não posso dizer que tenha um método específico ou uma fórmula de sucesso. Apenas o acompanhamento das matérias, quer nas aulas, quer em casa para reforço, sistematização e prática dos conteúdos”, revela.

A jovem de 18 anos sempre foi adepta do desporto, principalmente do ténis, uma modalidade que acompanhou “durante anos”.

Em setembro, deste ano, Clara Rodrigues entrou no curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Confessa que não foi uma escolha de sempre, mas que se foi tornando “uma opção ao longo do secundário e, sobretudo, durante o 12 ano”.

Para trás ficaram os professores que, nas diferentes fases do percurso escolar, foram “fundamentais” para alcançar “o sucesso. A relação, com alguns deles, foi muito para além da transmissão de conhecimentos, sendo figuras de apoio, incentivo e motivação determinantes em momentos difíceis”.

Olhando para o futuro, os objetivos “mantêm-se os mesmos” de há vários anos: “ser feliz e realizada a cada dia da minha vida. Para além disso, pretendo aproveitar bem os anos de faculdade e, num futuro próximo, estudar ou trabalhar num país estrangeiro”, revela.

A mensagem que Clara Rodrigues deixa a todos os que estão agora no ensino secundário é aquela que repetia para si mesma “nos momentos mais difíceis: no final vai valer a pena. Por mais difícil e exigente que o caminho possa ser, devemos trabalhar pela sensação final de conquista e superação. Independentemente dos resultados finais, o esforço será sempre recompensado”.