A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa) vai integrar uma rede europeia para impulsionar a transição energética. Esta rede chama-se ePLANET – European public local authorites’ network for driving the energy transition [ePLANET – Rede europeia de autoridades locais públicas para impulsionar a transição energética]. Os trabalhos com os novos parceiros arrancaram esta semana.

Atualmente, é constituída por 17 parceiros de 10 países – Alemanha, Bélgica, Bulgária, Espanha, França, Grécia, Irlanda, República Checa, Roménia e Portugal, representado pelo Tâmega e Sousa. Foi constituída em setembro do ano passado e abriu agora portas a mais sete entidades, entre as quais, a CIM do Tâmega e Sousa.

“Um dos principais desafios para alcançar a transição energética é melhorar a articulação entre as autoridades locais e regionais, com vista à otimização da implementação de medidas de transição energética. No entanto, as plataformas utilizadas por cada autoridade e pela União Europeia para gerir a transição energética são heterogéneas, provocando perda de informações, bem como dificuldades na partilha de dados e informação e, consequentemente, no envolvimento das comunidades nesta estratégia”, explica a CIM do Tâmega e Sousa em comunicado.

Nesse sentido, um dos principais desafios para atingir as metas da transição energética é “estimular a coordenação entre as autoridades locais e regionais com o objetivo de melhorar o processo de tomada de decisão e a coerência da implementação estratégias de eficiência energética pelos organismos públicos”.

O ePLANET pretende responder a este desafio, através da agregação de dados, medidas e planos de transição energética disponíveis em fontes dispersas, compilando-os numa plataforma digital de partilha uniformizada de informação e ferramentas que, pelo seu elevado grau de replicabilidade e adaptabilidade, podem servir de apoio à tomada de decisões pelas autoridades públicas de distintos países e regiões europeias no quadro da transição energética.

De forma a “garantir o desenvolvimento correto de ferramentas e o foco nas efetivas necessidades das autoridades públicas”, o ePLANET, que é cofinanciado pelo programa Horizonte 2020 – Desafios Societais – Energia segura, limpa e eficiente, tem em curso três projetos-piloto – na província de Girona (Espanha), na região de Zlín (República Checa) e na ilha de Creta (Grécia). Os projetos-piloto vão ser, posteriormente, alargados a outros países e regiões.

No atual quadro comunitário, a transição energética constituiu “uma das prioridades de investimento da CIM do Tâmega e Sousa, inscrita no Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial do Tâmega e Sousa”, sendo que o objetivo foi “aumentar a eficiência energética nas infraestruturas públicas da administração local, apoiando a implementação de medidas integradas de promoção da eficiência energética e racionalização dos consumos”.

No total, foram 32 os projetos de intervenção em edifícios, equipamentos e iluminação públicos, num investimento que rondou os 4,7 milhões de euros.

No próximo quadro comunitário, a descarbonização e a sustentabilidade energética vão continuar “a constituir um dos principais eixos estratégicos de desenvolvimento territorial do Tâmega e Sousa”.