A Cercimarante é uma das dez Instituições que venceu, recentemente, a segunda fase da quarta edição do Prémio Fidelidade Comunidade, com um projeto de capacitação de pessoas com deficiência ou incapacidade para empregabilidade.

Este projeto consistiu na criação de um negócio social de catering, cujo financiamento atribuído foi de 50.400 euros, num investimento total de 55.948 euros.

A equipa de catering é constituída por um grupo de clientes e colaboradores/as do Centro de Atividades e Capacitação para a Inclusão (CACI) que, nos últimos anos, tem vindo a acumular alguma experiência neste serviço, informa a Cercimarante em comunicado.

De acordo com a diretora técnica, Carla Macedo, “o CACI da Cercimarante já desenvolve pequenos eventos de catering, quer interna quer externamente, e muitos/as dos/as clientes já adquiriram alguma experiência, neste serviço”. “Contudo, para tornar esta prática recorrente e poder dar resposta a eventos maiores, como casamentos e batizados, terão de cumprir com legislação e formação essencial. Sentimos que há muito interesse, na região, por este tipo de iniciativa, pelo que há muitas solicitações que ficam por responder por falta de condições”, afirma.

O Prémio Fidelidade Comunidade vai “permitir profissionalizar o serviço de catering que o CACI já desenvolve, criando um negócio social de catering de qualidade para eventos, usufruindo das sinergias com outros produtos, de que são exemplo a pastelaria e os salgados confecionados pelos/as clientes do CACI”, pretendendo-se ainda “a capacitação dos/as clientes e colaboradores, na área da restauração”, refere Carla Macedo.

A diretora técnica esclarece ainda que “o projeto será autossustentável, uma vez que os serviços de catering são pagos”. “Uma maior qualidade e profissionalização do serviço, em conjunto com os equipamentos adquiridos, permitirão, igualmente, dar resposta ao aumento previsto da procura”, indica.

Na segunda fase da quarta edição do Prémio Fidelidade Comunidade foram submetidas 328 candidaturas, entre Portugal Continental e Ilhas, com pedidos de apoio à capacitação e sustentabilidade das instituições, com projetos entre os 50 e os 100 mil euros.

Segundo o site oficial, a Fidelidade – Companhia de Seguros, S.A. sublinha que, “após todo o processo de avaliação das candidaturas e apreciação do júri, foram apurados dez projetos vencedores que vão intervir nas temáticas da capacitação e empregabilidade de pessoas com deficiência ou incapacidade com negócios sociais e outras iniciativas de inclusão, e na temática da promoção do envelhecimento, com o reforço do apoio domiciliário e bem-estar dos idosos”.

“Todos os projetos procuram garantir a sua sustentabilidade e acompanhar os seus resultados com vista a maximizar o impacto na sua comunidade”, pode ler-se. A maioria destas candidaturas “traduz-se em pedidos de apoio na área do Envelhecimento (162), seguida da Inclusão de Pessoas com deficiência ou incapacidade (101), e, em menor número, a área da Prevenção em Saúde (65)”.

Os apoios mais solicitados prendem-se com a contratação de recursos humanos, equipamentos, obras e aquisição de viaturas.

Esta segunda fase do Prémio Fidelidade Comunidade, no valor total de 600 mil euros, destinava-se a projetos promotores da sustentabilidade das organizações.

“Apoiar a comunidade é mais do que uma responsabilidade social da Fidelidade. É o nosso compromisso para com o futuro das pessoas. Para que a vida não pare”, conclui a Fidelidade – Companhia de Seguros, S.A.