O município de Celorico de Basto homenageou o padre Albano Costa pelos 50 anos ao serviço da Paróquia de Ribas.

O voto de louvor e reconhecimento foi aprovado na reunião camarária ordinária de 15 de junho “por todo o exemplo de vida dedicada aos outros” e como “reconhecimento do mérito e da sua obra e da sua entrega à comunidade do concelho de Celorico de Basto e à freguesia de Ribas”.

Foto: Município de Celorico de Basto

“50 anos de dedicação a uma freguesia é uma vida, uma longa vida. Seguramente que, quando aqui chegou, a este ‘cantinho nos confins do Minho’, foi confrontado com imensas dúvidas e interrogações. Por conhecimento próprio, reconheço a sua força de vontade, o seu empenhamento, a sua resiliência para vencer as dificuldades”, comentou o presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, José Peixoto Lima.

Foto: Município de Celorico de Basto

O autarca lembrou vários projetos nos quais o padre esteve envolvido, como a “reabitação do património das capelas e das igrejas, dos espaços públicos, das respostas sociais que aqui foram sendo criadas”. O Padre Albano Costa é “um visionário, um trabalhador incansável, em prol desta comunidade, no que diz respeito à pastoral da igreja e ao desenvolvimento social e cultural desta comunidade”.

Esta sessão de homenagem foi organizada por um grupo de amigos de Ribas e do homenageado, encabeçado pelo presidente da Junta de Freguesia de Ribas, José Sousa, e contou com a presença de várias edilidades, nomeadamente o D. José Cordeiro, arcebispo primaz de Braga.

Foto: Município de Celorico de Basto

Em comunicado, a autarquia refere que o homenageado, “visivelmente emocionado”, disse não trabalhar “para receber merecimento”. “Tudo faço para cumprir a minha vocação. A minha vida e a minha vocação são a dádiva contínua de Deus que procuro corresponder da melhor forma, dentro das minhas limitações e defeitos”, afirmou.

“Conheceis-me e conheço-vos, caminhamos juntos, em comunhão, em sentido de missão. O que aqui está, nesta paróquia, durante estes 50 anos, tem apenas uma marca, o amor a Deus e o amor aos irmãos, e o sentido de gratidão para convosco que sem me conhecerdes me recebeste como amigo desde o dia 18 de junho de 1972. E me acompanhaste, ajudaste e tornaste possível tudo o que foi sonhado, pensado e concretizado, Graças a Deus”, declarou.

Foto: Município de Celorico de Basto

Albano Costa teceu ainda palavras de apreço a D. José Cordeiro, que “tem um modo de ser particular”. “Obriga-nos a sair de nós mesmos para estarmos de facto, com os que, ao nosso lado, seguem a mesma fé, seguem o mesmo espírito, têm a mesma visão de Deus, um Deus amigo que não quer ninguém parado. Muito obrigado pelos exemplos que tem dado a toda arquidiocese e que para além das palavras sábias e inspiradas com que nos dirige por vontade do Espírito Santo, estes atos falam ainda mais que as palavras e apontam um rumo de não pararmos de não ficarmos à margem da estrada, de seguirmos em frente enquanto Deus nos permitir”, continuou.

Foto: Município de Celorico de Basto

A José Peixoto Lima disse: “amigo de longa data, de uma paciência infinita que eu comparo à paciência divina, durante estas dezenas de anos, como funcionário da Câmara, teve sempre uma porta aberta para nos atender, para nos ajudar, numa disponibilidade total para que as paróquias pudessem contar com o seu trabalho, com a sua capacidade, com o seu amor, com a sua determinação. E nós, estamos-lhe gratos, todos os párocos de Celorico, e eu de uma maneira muito particular. Tudo o que está aqui feito em Ribas está a mão, está o empenho, está a ajuda do sr. presidente da câmara atual, que nunca escolheu horas, nem momentos para nos receber e para nos ajudar, mas que sempre, de braços abertos, com aquela frase que lhe é peculiar ‘disponha, meu caro!’, sempre nos ajudou nas nossas dificuldades. Muito obrigada e que agora no novo serviço de presidente da câmara, o Senhor o ajude para tornar esta câmara mais dinâmica, mais forte, mais próxima e mais digna para a população do concelho”.

A cerimónia foi encerrada por D. José Cordeiro, que “elogiou a ação pastoral do padre Albano e o exemplo de uma vida dedicada à sua comunidade”.