A comissão regional de gestão integrada de fogos rurais do Norte, presidida pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-Norte), aprovou na sexta-feira, 18 de novembro, em Vila Real, o plano de ação da Região Norte com aplicação até 2030.

Este plano é um contributo para o “Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais” nacional, aprovado pelo Governo em 2020. Entre as metas regionais estabelecidas até 2030 encontram-se: “a diminuição da área ardida acumulada (até 242.340 hectares), a redução do número de ignições em 80 por cento nos dias de elevado risco de incêndio, a gestão efetiva de 700 mil hectares de combustível e o aumento em 8% do Valor Acrescentado Bruto (VAB) da fileira florestal, apoiando mais de 3.000 projetos de diversificação e valorização da economia rural e da floresta”, explica a CCDR-Norte em nota de imprensa.

O plano de ação integra 52 projetos de caráter regional, 12 deles são classificados como “projetos-chave” e têm como objetivo “proteger Portugal dos incêndios rurais graves”. Desta forma, está previsto até 2030 um investimento total de cerca de dois mil milhões de euros.

“Este plano é um esforço coletivo de toda a região, das suas instituições e, muito em particular, das comunidades intermunicipais, cujo contributo é fundamental. É um marco positivo para futuro, que requer compromissos nacionais claros na sua operacionalização e na dotação de meios adequados, nomeadamente para o exercício de competências das entidades intermunicipais e das autarquias”, sublinha o presidente da CCDR-Norte, António Cunha. 

Segundo a CCDR-Norte, entre 2010 e 2019, o Norte do país registou mais de 110 mil ocorrências de fogos rurais, o que representa 65 por centro do total nacional. No mesmo período, arderam mais de 559 mil hectares no Norte.

A Comissão Regional de Gestão Integrada de Fogos Rurais do Norte integra os principais atores do Norte para o setor, entre os quais: a CCDR-Norte, a Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais (AGIF), o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA), os Comandos Territoriais da GNR (Geral, Porto, Braga, Viana do Castelo, Bragança, Vila Real, Aveiro, Viseu e Guarda), o Comando Nacional e Distritais da PSP (Porto, Braga, Viana do Castelo, Bragança, Vila Real, Aveiro, Viseu e Guarda), o Comando Regional do Norte da ANEPC, a Liga dos Bombeiros Portugueses, as Direções Nacional e Norte da Polícia Judiciária, a Direção Regional do ICNF, a Infraestruturas de Portugal, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes, a Direção Regional Agricultura e Pescas, a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, todos os organismos intermunicipais do Norte (Área Metropolitana do Porto, Alto Minho, Cávado, Ave, Alto Tâmega, Tâmega e Sousa, Douro e Terras de Trás-os-Montes), a FORESTIS-Associação Florestal de Portugal, a BALADI-Federação Nacional de Baldios, a REN-Redes Energéticas Nacionais, a E-REDES, a EDP-Energias de Portugal e a Agência Portuguesa do Ambiente.