O líder do Partido Social-Democrata (PSD), Luís Montenegro, marcou presença no jantar de Natal em Castelo de Paiva, no qual afirmou que o Partido Socialista (PS) é o responsável pelo “risco de pobreza” em Portugal.

O presidente do partido afirmou que o país apresenta “um quadro catastrófico do ponto de vista social. Estamos num ciclo de empobrecimento galopante, nós estamos a ficar no fundo da tabela quando temos tudo para estarmos no topo”, segundo a agência Lusa.

Acrescentou, ainda, que “em Portugal, há cerca de dois milhões de pessoas com rendimento de 554 euros ou menos. E muitos dos que ganham acima é em função das prestações sociais do Estado. Sem isso, o limiar da pobreza atingiria 4,5 milhões de portugueses”.

Desta forma, salientou que todos os países atravessaram uma pandemia e que sentem as “altas taxas de inflação e efeitos da guerra na Ucrânia”, realçando ainda que perante as circunstâncias que atravessam o mundo, nos outros países “há mais esperança, criação de riqueza, mais oportunidades e mais empregos disponíveis”, ao contrário de Portugal.

Luís Montenegro acredita que “não há assim tantas razões para ficarmos mais pobres, quando os outros estão a ficar mais ricos“.

Para o líder do partido da oposição, o governo socialista tem tido “todos os instrumentos para inverter a situação do país. O PS herdou em 2015 uma casa arrumada, um país acrescer, o desemprego a diminuir, contas públicas certas e um acesso a financiamento como nunca houve em Portugal”. Perante o “quadro catastrófico”, o Partido Social-Democrata garante está “empenhadíssimo” para “governar este país”.

“Para lutarmos contra uma coisa que não podemos aceitar, que é esta fatalidade de estarmos sempre de mão estendida, de bancarrota, empobrecidos, à espera que nos deem subsídios na Europa”, acrescentando que “o crescimento de riqueza é o ponto de partida para acabar com a pobreza” em Portugal.