Publicidade

Esta sexta-feira, dia 15 de setembro, a localidade de Germunde, em Pedorido, concelho de Castelo de Paiva, acolheu a cerimónia de Lançamento da Primeira Pedra da obra de ampliação do Lar Santa Bárbara, da Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos de Pedorido (ARPIP).

O Lar de Santa Bárbara é uma IPSS do concelho, fundada em abril de 1991, que irá receber um investimento de 1,5 milhões de euros. Esta obra surge no âmbito da aprovação de uma candidatura ao Programa PARES 3.0 – Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais, que tem um custo de execução de 1.596,518 euros, com financiamento público garantido na ordem dos 657,112 euros, devendo estar concluída em junho de 2025.

Recorde-se que, a ARPIP tem neste momento 22 utentes em modo residencial, e com este aumento das instalações, passará a ERPI – Estrutura Residencial para Idosos, garantindo alojamento para mais 27 utentes, o que vai totalizar um acolhimento de 49 idosos, para além dos 20 utentes a quem presta serviço de apoio domiciliário e 15 utentes no Centro de Dia/Convívio.

Na cerimónia marcaram presença o diretor da Segurança Social de Aveiro, Fernando Mendonça, o presidente da Câmara Municipal de Castelo de Paiva, José Rocha, o vice-presidente José António Vilela, o padre Tiago Santos, diretores da ARPIP, representantes das IPSS do concelho, dirigentes associativos, técnicos da empresa construtora OJP e outras entidades.

Na sua intervenção, Luís Costa, presidente da ARPIP, referiu-se ao projeto como “importante” e “um sonho antigo e que agora ganha dimensão e tem concretização anunciada. Este aumento irá possibilitar criar uma estrutura residencial com mais funcionalidade e capacidade de acolhimento, com mais benefícios para a comunidade”. Para além disso, agradeceu também o apoio disponibilizado pelo Estado através da Segurança Social de Aveiro, que descreveu como “um grande parceiro da instituição, ao longo de mais de três décadas de funcionamento”.

O diretor da Segurança Social de Aveiro recordou “o esforço financeiro realizado no distrito, no âmbito do Programa Pares, na ordem dos 50 milhões de euros, com mais de 30 milhões de euros de investimento público”, referindo que o distrito está “na linha da frente no investimento neste tipo de equipamentos sociais, potenciando uma oferta mais qualitativa para as pessoas mais necessitadas, como a terceira idade, a infância e a população com deficiência”.

Fernando Mendonça destacou que, este projeto da ARPIP é “um bom exemplo de como se arrisca com empenhamento, e como se encara o futuro com esperança”, deixando por isso um agradecimento aos técnicos da SS que acompanham estes projetos e à Câmara Municipal de Castelo de Paiva por ser “uma entidade parceira, sempre empenhada e disponível”, sublinhando “o apego e a sensibilidade” do edil José Rocha a estas causas sociais.

O dirigente da Segurança Social agradeceu também ao presidente da ARPIP pela ousadia de realizar e avançar com este projecto de ampliação das instalações, numa cooperação que é de enaltecer, porque vem criar outras dinâmicas, potenciar outra dimensão e outro conforto para os utentes que procuram a instituição, que continua a ser gerida por gente empenhada e capaz, que continua a dar o melhor de si em prol dos outros, razão que motiva natural satisfação.

Já o presidente da Câmara Municipal de Castelo de Paiva agradeceu o trabalho que a Segurança Social de Aveiro vem realizando no concelho, o “apoio constante” que tem disponibilizado às IPSS localizadas no território e a “parceria” que tem mantido com a autarquia.

José Rocha deixou uma palavra de apreço para o trabalho “notável e dedicado” de todas as IPSS do concelho. “Estou orgulhoso pelas respostas sociais que disponibilizam à população. No espaço de um mês temos duas importantes obras sociais a ser iniciadas em Castelo de Paiva, projetos que vão permitir umas resposta mais alargada à população, já de si fustigada com o problema do envelhecimento”.

O autarca terminou por destacar que este é “um anseio antigo” e que “em breve” será uma “realidade” que vai “facilitar o trabalho da instituição nesta resposta social, promovendo mais capacidade de acolhimento, conforto e qualidade de vida aos utentes”