Esta segunda-feira, 5 de dezembro, celebra-se o Dia Internacional do Voluntário, que tem como objetivo enaltecer o esforço dos voluntários e promover a participação em programas de voluntariado, salientando os valores de entreajuda no seio da comunidade. 

Valores que a CASA Amiga Lousada tem promovido no concelho em que está inserida. Como nos explica Joana Borges, o projeto nasceu através de um convite de um amigo “que já fazia voluntariado com um grupo de Felgueiras. Decidimos participar e fomos falando com outros colegas”, recorda.

O voluntariado começou a ser mais “frequente” e decidiram propor ao CASA Porto a experiência de “um sábado por mês num restaurante solidário”.

Neste momento, são três os restaurantes solidários da responsabilidade do CASA Porto: o restaurante do Hospital Joaquim Urbano, o restaurante da Baixa (na rua Passos Manuel) e o restaurante do Terço (nas redondezas do hospital e igreja da Ordem do Terço). “Quando é o nosso sábado, que é sempre de quatro em quatro semanas, assumimos os restaurantes do Terço e o da Baixa. O nosso colega, com um grupo de 12 a 15 pessoas, fica no Restaurante do Terço e o nosso grupo com cerca de 10/12 elementos, fica no Restaurante da Baixa”, explica Joana.

O voluntariado começa às 19h00, com a receção da comida “que já vem confeccionada por uma empresa” e cabe ao CASA Amiga de Lousada a preparação “das mesas da sala do restaurante”. Às 20h abrem-se as portas “para servir as pessoas”.

As tarefas, como nos conta, “são divididas entre todos. Uns servem as pessoas na mesa, outros distribuem a comida nos pratos, outros fazem os tabuleiros para levar para a mesa, outros na cozinha a lavar pratos, copos, talheres, limpar tabuleiros e pratos… como se fosse mesmo um serviço de restaurante”, descreve a voluntária.

À mesa chega “sempre pão, sopa, prato principal e sobremesa, que pode ser fruta, iogurte ou algum doce que algumas pastelarias das redondezas às vezes doam”.

O restaurante funciona apenas à noite, “mas todos os dias do ano, e está aberto a quem deseja ter uma refeição quente”, frisa.

Pelas 22h00 fecham-se as portas do restaurante solidário e fica o sentimento “de dever cumprido. Um dever que devia ser de todo o cidadão, ajudar os mais vulneráveis, nem que seja com palavras de conforto. A sociedade tem de pensar nestas pessoas, principalmente em quem vive na rua, mas também naquelas que dentro das suas habitações, vivem em situações precárias”, alerta Joana.

São vários os voluntários, dos oito aos 60 anos, que ajudam ao crescimento do projeto e de acordo com Joana “já terão experimentado, até hoje, pelo menos uma vez, cerca de 80 a 100 pessoas. Algumas pessoas vão todos os meses e depois durante o ano vão surgindo mais pessoas que já nos conhecem, que sabem mais ou menos o que fazemos e que querem experimentar. Por vezes convidamos adolescentes da catequese a viver a experiência de ajudar os outros nas suas necessidades”, conta.

A CASA Amiga Lousada é uma instituição de cariz solidário que surgiu, em 2018, nas paróquias de Alvarenga, Macieira, Nogueira e Santa Margarida, apoiadas pelo Padre Mário Pinto. Durante estes quatros anos, muitas foram as histórias vividas e presenciadas, mas no meio de tantas, existem aquelas que ficam na memória. “Lembro-me de um rapaz que era sem abrigo e um voluntário disse que o ia ajudar. Foi viver para uma garagem e arranjou emprego no Continente. Começou a trabalhar, o Continente ofereceu-lhe uma trotinete para ir trabalhar e agora consegue ter uma casa para ele. Tivemos conhecimento também de duas jovens que, em 2021, vieram estudar para a Universidade do Porto. Os pais não conseguiam pagar os estudos e restantes despesas, e estavam a viver debaixo da ponte D. Luís. Recordo-me, ainda, do caso de uma senhora que vivia com o marido, mas que se tornou sem abrigo porque fugiu de casa para fugir à violência doméstica por parte do marido”.

Apesar do Natal ser uma altura de maior ajuda, Joana garante que no grupo o voluntariado se estende ao ano inteiro. “Estas pessoas precisam da nossa ajuda todo o ano, precisam da nossa companhia, disponibilidade, atenção, e da refeição que servimos, todo o ano”.

E a pensar nesse contributo, este ano, a ceia de Natal do CASA Amiga Lousada terá um sabor “diferente, porque deixaremos as nossas casas no dia 24 de dezembro para irmos ao Porto servi-los. Vamos dar-lhes a nossa companhia e oferecer um miminho a cada um, em nome do nosso grupo de voluntários de Lousada”, revela.