De 21 a 27 de junho, a Campanha de Segurança Rodoviária “Cinto-me vivo”, da responsabilidade da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, da Guarda Nacional Republicana e da Polícia de Segurança Pública, registou 10 vítimas mortais e mais de 700 feridos em acidentes em todo o país.

Foram registados 2.419 acidentes, com 10 vítimas mortais (dos nove aos 85 anos), 48 feridos graves e 719 feridos leves. Destes acidentes, três ocorreram em estradas nacionais, três em arruamentos, dois em itinerários complementares e um numa auto estrada. Houve cinco colisões, envolvendo ao todo seis veículos ligeiros, dois veículos pesados, um motociclo e um ciclomotor, bem como quatro despistes, por parte de dois veículos ligeiros, um motociclo e um ciclomotor.

As forças de segurança fiscalizaram ainda presencialmente em Portugal 49.537 veículos, tendo sido registado um total de 12.642 infrações, das quais 722 relativas à não utilização ou utilização incorreta dos dispositivos de segurança.

Num comunicado conjunto, estas entidades informam ainda que foram sensibilizados 375 condutores e passageiros no continente, a quem foram transmitidas as seguintes mensagens: “Utilize sempre uma cadeirinha homologada, devidamente instalada, e adaptada à altura e peso da criança; Utilize sempre o cinto de segurança, em todos os lugares do veículo, e em todos os percursos, mesmo nos de curta distância; Utilize o capacete de modelo aprovado, devidamente ajustado e apertado”.

Esta campanha, que teve como objetivo “alertar os condutores e passageiros para a importância de utilizarem sempre e de forma correta os dispositivos de segurança”, contou com a participação do serviço da administração regional da Região Autónoma dos Açores em ações de sensibilização, completando o trabalho de fiscalização que tem sido realizado pelos comandos Regionais da PSP.

Inserida no Plano Nacional de Fiscalização de 2022, a campanha foi divulgada nos meios digitais e através de cinco ações de sensibilização da ANSR, realizadas em simultâneo com as operações de fiscalização da responsabilidade da GNR e PSP, nas localidades de Lisboa, Albufeira, Beja, Portalegre e Seixal. Idênticas ações ocorreram na Região Autónoma dos Açores.