A delegação do Porto da Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) deslocou-se a Baião, no passado dia 3 de fevereiro, para uma reunião de trabalho para a apresentação das dificuldades sentidas no concelho.

Na reunião, participaram o presidente da delegação do Porto da ANACOM, o presidente e o vice-presidente da Câmara Municipal de Baião, Paulo Pereira e Filipe Fonseca, respetivamente, a vereadora com os pelouros da Modernização Administrativa e Sistemas de Informação, Anabela Cardoso, e alguns técnicos da autarquia.

O município avança em comunicado que, dada a falta de cobertura de fibra ótica e redes móveis no concelho de Baião, tem vindo a realizar diversos contactos com a ANACOM nos últimos anos para que a entidade reguladora possa pressionar as várias operadoras para a necessidade de “reforço da rede”.

O autarca lamenta que “um dos principais fatores de insatisfação referido pelos turistas é exatamente a falta de cobertura de rede móvel”, salientando que estão a “reforçar junto da ANACOM a urgência e pertinência destas reivindicações, não só ao nível da população em geral, como também relativamente aos operadores turísticos” devido ao aumento do “fluxo de pessoas” e do aumento do “número de empreendimentos com taxas de ocupação elevada”.

O edil baionense reforça a “necessidade premente de levar esta rede a todos aqueles que ainda não a têm, sejam cidadãos, sejam empresas, neste mundo cada vez mais digital e em que este recurso se assume como um importantíssimo fator competitivo”, apesar da grande expansão da rede de fibra ótica que chega a grande parte do concelho.

Luis Roque Pedro, designado recentemente como diretor da  Delegação do Porto da ANACOM, referiu que a entidade reguladora “tem privilegiado as zonas do interior” e, por isso, achou que “havia todo o interesse em reunir com a Câmara Municipal de Baião, para que o município, na pessoa do Sr. Presidente, pudesse transmitir em reunião presencial quais os problemas ao nível das comunicações móveis e internet em Baião”.

O diretor da Delegação do Porto da ANACOM garantiu que a delegação tomou “conta das reivindicações que o Presidente Paulo Pereira transmitiu e disponibiliza-se para efetuar um estudo de qualidade de redes móveis no concelho brevemente, de forma a ter uma noção exata da realidade, nomeadamente em termos de realização de chamadas telefónicas e acesso a dados móveis”, motivado também pelo que foi estipulado “no leilão 5G e suas obrigações, nomeadamente no que se aplica a esta região, temos a convicção que as comunicações podem melhorar e ir de encontro às necessidades enunciadas pelo município”.

Luis Roque conclui ainda que “este tipo de contacto de proximidade com a autarquia é essencial, para que consigamos aferir quais são os reais problemas ao nível das comunicações e se os operadores estão a cumprir com as suas obrigações”.

Carlos Cardoso