A Câmara Municipal de Baião está a criar condições para que refugiados da guerra da Ucrânia possam vir para o concelho.

A nível de alojamento, já está garantida a cedência de alojamento. Os espaços capazes de acolher cidadãos de imediato são oito; a curto prazo e que precisam de pequenas obras de remodelação são dois; e os espaços capazes de acolher temporariamente e de forma transitória são dois. No total, os espaços identificados permitem o acolhimento de 70 pessoas.

A autarquia refere, em comunicado, que está a proceder ao levantamento de soluções de alojamento para as famílias ucranianas, tendo garantido, a 1 de março, 12 soluções de alojamento, entre espaços da Câmara Municipal e de entidades de solidariedade social do concelho e corporações de bombeiros. Apela, por isso, aos cidadãos que possuam imóveis em boas condições de utilização e que estejam disponíveis para receber refugiados ucranianos, quer a título gratuito e temporário e/ou para arrendamento. Podem contactar a Câmara Municipal de Baião, através do número 964 552 329 ou do e-mail [email protected] .

Em relação às empresas que pretendam disponibilizar postos de trabalho para estes cidadãos, a autarquia está a contactar e a incentivar as empresas baionenses a registarem-se numa plataforma de recolha de ofertas de emprego criada pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional. As empresas interessadas podem ainda contactar a Câmara Municipal através do número 964 552 329, ou do e-mail [email protected], para obterem ajuda no registo nesta plataforma.

Pode ainda enviar donativos em dinheiro para uma das várias Organizações Não Governamentais (ONG) que atuam diretamente no terreno, como por exemplo: Cruz Vermelha; Unicef; Fundo Humanitário da ONU para a Ucrânia; Médicos do Mundo; Cáritas.

Já garantiram a cedência de alojamento, ou apoio logístico, as entidades sociais Cecajuvi, Centro Social de Santa Cruz do Douro, OBER e Santa Casa da Misericórdia de Baião e as Associações Humanitárias dos Bombeiros Voluntários de Baião e dos Bombeiros Voluntários de Santa Marinha do Zêzere.

O diálogo foi estabelecido pelo presidente de Câmara, Paulo Pereira, com a Secretária de Estado para a Integração e as Migrações, tendo já sido remetidas comunicações para o Alto Comissariado para as Migrações.