A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Entre-os-Rios, no concelho de Penafiel, comemorou, este domingo, dia 19 de junho, 99 anos.

“A epopeia que hoje celebramos teve início há 99 anos. No longínquo ano de 1923, a 16 de junho, um grupo de homens valentes teve o arrojo de criar, no nosso concelho, um grupo de bombeiros que pudesse responder às necessidades de socorro”, conta o comandante em regime de substituição, José Filipe de Jesus. 

O comandante da corporação destaca o “sentido reconhecimento e gratidão” e afirma que agora olham com “a mesma garra e o mesmo arrojo, mas também com a mesma esperança de que o caminho é para percorrer, mesmo que as dificuldades de ontem sejam uma realidade no hoje” da associação.

“Todos os dias, a qualquer hora do dia ou da noite, homens e mulheres a quem os bombeiros de Entre-os-Rios, assim como por esse país fora e até pelo mundo escolheram a missão de arriscar a própria vida para salvar outras, que, por ventura, nem conhecem. Este é o verdadeiro espírito de entrega e da mais profunda solidariedade para com o seu semelhante. Fazemo-lo há 99 anos e por todo este enorme passado, repleto de serviço público, de história, de sucesso, estamos muito orgulhosos deste nosso corpo de bombeiros”, concluiu.

“Ao longo destes quase cinco anos que levo como elemento de comando, tenho consciência que o vosso voluntariado e profissionalismo é demais evidente. Os tempos que atravessamos não são fáceis, nem serão os que se seguem, mas a vossa resiliência, forma e trabalho próprio de cada um de vocês tem sido e será, sem a mais mínima dúvida, a garantia do sucesso por vós atingido em todos os teatros de operação para que foram chamados a intervir e que nos devem encher de orgulho”, rematou.

Para o presidente da mesa da Assembleia Geral desta associação humanitária, Joaquim da Silva Rodrigues, este dia serve para honrar “os que, em 1923, tiveram a ousadia e a coragem de fazer nascer esta associação”. “São eles que nos fazem carregar a enorme responsabilidade de continuar a ser merecedores desta herança, destes valores”, continuou, expressando “um agradecimento profundo e reconhecido pelo fantástico trabalho que têm desenvolvido no desempenho da sua missão” e destacando “o trabalho desenvolvido pela direção”.

Presidente anseia por mais apoios para a corporação e Equipa de Intervenção Permanente

O presidente da direção desta associação humanitária, José Vieira Pinheiro, sublinhou que a “sustentabilidade financeira” é uma das preocupações, por isso, uma vez que “os apoios são escassos”, deixou notória a necessidade de mais ajuda nesse sentido.

Destacou ainda que, desde que se iniciou este mandato, em janeiro, estão a ser desenvolvidas e organizadas “experiências com a sociedade civil, mas, sobretudo, com diversas entidades para melhorar os níveis do corpo de bombeiros no que diz respeito ao desempenho no socorro a prestar às populações”. Assim, “para que isto seja possível, é prioritária a renovação do parque de viaturas, muitas delas com mais de 30 anos”. Além disso, têm também contemplada no plano de orçamento uma viatura de socorro, “pois a mais recente conta já com 10 anos de serviço e é pertinente a sua substituição”.

“Para manter e melhorar a qualidade dos serviços, temos que dar aos nossos bombeiros os meios indispensáveis, por isso, precisamos de criar, pelo menos, uma equipa de intervenção permanente”, afirmou, defendendo que é preciso “profissionalizar cada vez mais a Proteção Civil”.

No sentido de “encontrar outras formas de assegurar o imprescindível serviço público”, já pediram e aguardam uma resposta do INEM para “obter um Posto de Emergência Médica – PEM”.

“Precisamos melhorar os nossos equipamentos para que as nossas populações sejam atendidas de forma mais eficiente e para que os nossos bombeiros tenham melhores condições para cumprir as suas missões”, continuou.

O vereador da Câmara Municipal de Penafiel Rodrigo Lopes admitiu que a autarquia tem “um grande reconhecimento e uma grande estima” pelos bombeiros do concelho e garantiu que vão “procurar caminhar juntos para procurar encontrar respostas aos problemas” e uma “total colaboração, articulação de proximidade”.

“Estamos aqui com muito gosto porque, de facto, é um dia muito importante de uma importante instituição desta freguesia e desta parte mais a sul do concelho de Penafiel. Temos um grande carinho, um grande apreço e um grande reconhecimento pelos bombeiros do nosso concelho e temos procurado materializá-lo através de atitudes e de algumas ações”, disse, explicando que procuraram “criar medidas que possam de alguma maneira atenuar estas dificuldades e estimular o serviço voluntário”.

O presidente da Federação Distrital dos Bombeiros do Porto, José Luís Morais, sublinhou que o caminho percorrido pelos Bombeiros Voluntários de Entre-os-Rios é “o caminho a seguir” e lançou ainda o desafio de pensarem em “poder ter um espaço para acolher a organização do Encontro de Escolas de Infantes e Cadetes do próximo ano”, integrado no centenário e com a colaboração da federação.

A representar a Liga dos Bombeiros Portugueses esteve Luís Elias, que expressou a vontade de “recriar ou retomar uma estrutura de comando nacional de bombeiros, onde os bombeiros respondam para cima em termos de bombeiros”.

Sobre a sustentabilidade, referiu que está a ser preparada a reformulação da “forma de financiamento das associações humanitárias dos bombeiros voluntários” e quanto ao impacto dos combustíveis no transporte dos doentes não urgentes, “a partir do dia 1 de julho, vai conseguir-se uma melhoria destas condições”.

Vários bombeiros foram homenageados

Durante a cerimónia de aniversário, vários bombeiros foram homenageados pelo tempo de serviço e dedicação.

Receberam medalhas de assiduidade, de cinco anos de serviço (grau cobre), oito bombeiros de terceira; 10 anos (grau prata) 10 bombeiros de segunda e de terceira; e 15 anos (grau ouro) quatro bombeiros de primeira e de segunda. A medalha de dedicação, de 25 anos de serviço (grau ouro) foi entregue ao adjunto de comando e a um bombeiro de primeira, dois de segunda e um de terceira. Já a medalha de dedicação e altruísmo, 30 anos, foi atribuída a três elementos.

Com o crachá de ouro, por 35 ou 40 anos de serviço foram agraciados: o chefe do quadro de honra, o chefe do quadro ativo e o sub-chefe do quadro ativo.

Também sete elementos da Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Entre-os-Rios foram agraciados com uma homenagem, porque “fizeram muito para que esta fanfarra se mantivesse de pé até hoje”.

Alguns “benfeitores” receberam também uma placa de agradecimento pela colaboração.

Foi ainda entregue pela Liga dos Bombeiros Portugueses uma medalha de dedicação pela contribuição para ajudar a Ucrânia que foi colocada no estandarte da associação.