O Agrupamento de Escolas de Vale de Ovil, em Baião, viu neste novo ano letivo a entrada de muitos alunos, mas também a saída de muitos outros para o universo universitário, como é o caso de Beatriz Geada, a melhor aluna no ano letivo de 2021/2022.

A jovem aluna sempre se guiou pelos “bons resultados”, consequência dos “muitos exercícios que encontrava e fazia, de forma a estar melhor preparada para resolver qualquer problema que aparecesse”

Uma metodologia que a fez conseguir terminar o ensino secundário com uma média de 19,89, no curso de ciências e tecnologias, e entrar em Medicina. “Não foi o que sempre quis. Aliás, quando terminei o secundário ainda estava a ponderar qual curso ia escolher”, revela a jovem ao Jornal A VERDADE. 

Não foi o sonho de sempre, mas será aquele que irá concretizar no futuro, conciliando com a vida de atleta no Maia Atlético Clube. “Neste momento, o meu objetivo é ser capaz de conciliar os treinos com a faculdade e obter bons resultados em ambas as áreas”, afirma.

Agora, a viver uma realidade distinta, Beatriz não esquece os professores de quem vai ter “imensas saudades” e que foram importantes no seu percurso escolar. “Claro que os meus professores tiveram papéis cruciais no meu percurso académico, mas mais importante que isso, sinto que me ajudaram imenso a crescer enquanto pessoa”, garante.

Aos 18 anos e com a experiência que ficou para trás, Beatriz Geada deixa um alerta aos colegas que estão no ensino secundário: “devem começar a esforçar-se logo no 10.°ano, pois, muitas vezes, esquecem-se que a média final é o resultado de três anos”.

Mas para a aluna, para além dos bons resultados, é também importante “fazerem algo para além da escola, uma atividade extracurricular. Sinto que o atletismo me ajudou imenso a nível de organização de tempo e a saber lidar muito melhor com os momentos de avaliação, especialmente os exames nacionais”, conclui.