Um empreiteiro de Baião foi detido na quarta-feira, dia 16 de março, numa operação da Direção de Finanças do Porto, com a colaboração da Unidade de Ação Fiscal da GNR, por fraude fiscal e branqueamento de capitais.

Com a ajuda de dois cúmplices, o suspeito terá construído uma rede de empresas que lhe passavam faturas falsas, para obter reembolsos de IVA, lucrando um valor total, desde 2017, de cerca de três milhões de euros.

A informação foi avançada pelo Jornal de Notícias, que refere que o suspeito vai ser presente, esta quinta-feira, dia 17 de março, a primeiro interrogatório judicial, no Tribunal de Penafiel. Foram constituídos 30 arguidos, entre pessoas e empresas suspeitas de participar no esquema.

O suspeito tinha duas empresas de construção civil na região do Tâmega e Sousa, mas também terá criado várias empresas de fachada, sem atividade, apenas para passarem faturas de serviços fictícios, sendo que, para gerentes das sociedades, o empresário terá conseguido o consentimento de indivíduos testas de ferro.