A Secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, autorizou, esta sexta-feira, dia 18 de março, a celebração de protocolos para criar 100 novas Equipas de Intervenção Permanente (EIP).

As 100 novas EIP vão ser criadas em 73 municípios do continente, correspondendo a 13 primeiras equipas, 77 segundas equipas – criadas em Corpos de Bombeiros onde já existia uma EIP – e 10 terceiras equipas em Corpos de Bombeiros com duas EIP e que dispõem de secções ou postos deslocalizados.

As EIP são equipas formadas por cinco bombeiros profissionais, que se destinam ao cumprimento de missões no âmbito da Proteção Civil. Os bombeiros que integram estas equipas são “caracterizados pela elevada especialização, com competências em valências diferenciadas para atuarem em diferentes cenários”, refere um comunicado do Ministério da Administração Interna. A constituição destas equipas “deve prever, no mínimo, uma proporção de elementos de cada sexo não inferior a 20%”.

Com a criação destas 100 novas EIP, compostas por um total de 500 operacionais, “elevar-se-á o total de equipas autorizadas para 662, quase quadruplicando o número de EIP criadas até 2016 (169)”.

A seleção destas equipas foi baseada “em critérios objetivos e verificáveis, estabelecidos pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e apresentados à Liga dos Bombeiros Portugueses”. Está prevista a constituição de novas equipas no segundo semestre de 2022.

Os protocolos, a celebrar entre a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), as Câmaras Municipais e as Associações Humanitárias de Bombeiros, pretendem “melhorar a eficiência da Proteção Civil e as condições de prevenção e socorro face a acidentes e catástrofes”.