O presidente da Câmara Municipal de Paredes, Alexandre Almeida, tomou posse esta segunda-feira, dia 28 de novembro, como presidente do Conselho Executivo da Associação de Municípios Parque das Serras do Porto e apresentou alguns investimentos a serem realizados.

A sessão de tomada de posse decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Paredes. Alexandre Almeida, que já presidiu à associação de 23 de dezembro de 2019 a 27 de novembro de 2020, sucede a Marco Martins, autarca de Gondomar.

A presidência da Associação de Municípios Parque das Serras do Porto é rotativa, de acordo com os estatutos, e o mandato decorre pelo período de um ano, mas “as decisões são sempre tomadas por unanimidade”, sublinhou Alexandre Almeida, em declarações aos jornalistas.

“É importante talvez por aquilo que se vai tentar pôr no terreno. Desde logo, formalizamos este memorando para desenvolvimento do turismo no Parque das Serras do Porto. Entendíamos que, depois de todos os estudos que foram feitos e dos percursos que fizemos, chegava agora o momento de tentar pôr em prática uma estratégia para um desenvolvimento sustentado do turismo, fazer com que os empreendimentos turísticos que se desenvolvem nesta zona tenham quase que a chancela do Parque das Serras do Porto e que obedeçam a determinadas regras que queremos muito bem defini-las agora e vamos investir nisso. Por outro lado, apesar de a candidatura ter sido aprovada este ano, vai ser o primeiro ano a sério completo para implementação dos investimentos previstos no LIFE”, disse.

Este programa LIFE 2021-2027, instrumento financeiro para o ambiente e a ação climática, pressupõe “um investimento enormíssimo” de 3,6 milhões de euros até 2027, com comparticipação financeira. Vai permitir “substituir, neste caso, 423 hectares de floresta, por vezes, com invasoras ou com árvores não autóctones por árvores autóctones, vai permitir a criação de uma equipa de sapadores, que vai, durante este período andar no Parque das Serras, não só a controlar estes investimentos e a apoiar estes investimentos, como a fazer prevenção contra os incêndios”. Além disso, este investimento vai também permitir “fazer pedagogia em relação ao parque, fazer com que o potencial do parque chegue a mais pessoas e os envolvam também como voluntários no desenvolvimento do parque”.

“Vai ser um ano repleto de trabalho e espero que, quando chegarmos ao final do próximo ano, já comecemos a sentir alguns dos efeitos destas medidas do LIFE no terreno”, afirmou.

“É muito importante para nós e é muito importante para o distrito do Porto, ou seja, são as serras do Porto e sabendo nós que o Porto se tem afirmado cada vez mais como um destino turístico de excelência, com prémios não só a nível europeu, como mundial, temos de aproveitar exatamente isso. Daí, a questão do memorando em termos turísticos, porque estamos a 15 minutos do Porto e, se é certo que no Porto haverá outras atrações mais urbanas, as atrações mais do turismo de natureza, da agricultura temos de as desenvolver ali”, concluiu.