A Associação de Futebol do Porto anunciou que vai apoiar o trabalho da UNICEF na Ucrânia, tendo como principal objetivo “a ajuda às crianças afetadas pela guerra naquele país”

Em comunicado, a AF Porto indica que, no total, estima-se que 7,5 milhões de crianças serão afetadas pelo escalar da violência, sendo que “cerca de meio milhão de crianças já vivia nestas condições desde 2014” e que hoje “milhares saíram das suas casas com a família, procurando um sítio ou país novo para viver”.

“Somos a maior Associação de Futebol do país. Todos os dias trabalhamos ao serviço do desporto e da juventude com o objetivo de proporcionar a um número cada vez maior de crianças a oportunidade de crescer, aprender e educar-se com os mais importantes valores que o futebol, futsal e o espírito desportivo nos podem dar. Mas acreditamos também que a nossa responsabilidade social vai muito para além disso”, refere.

Como instituição que representa mais de 35 mil atletas, a grande maioria crianças, seis mil dirigentes, mil árbitros e cuja área de jurisdição engloba uma população a rondar os 1,8 milhões de habitantes, a AF Porto acredita que pode “fazer mais” e, por isso, todas as forças para apoiar o trabalho da UNICEF.

“O nosso objetivo e compromisso passa por mobilizar toda a envolvência da Associação de Futebol do Porto para se juntar a nós neste esforço e nesta causa. Clubes, dirigentes, treinadores, staff, jogadores, adeptos, país, irmãos, amigos e conhecidos. A todos pedimos que contribuam para esta causa comum, com um donativo cujo valor mínimo é de um euro. Lembramos que toda a ajuda é bem-vinda e todos os euros podem fazer a diferença entre a vida e a morte”, continua.

Os valores vão ser diretamente canalizados para a UNICEF Portugal e pode fazer o donativo através deste link.

O donativo em dinheiro tem “uma agilidade que mais nenhum outro tem”, pois através de uma transferência bancária para qualquer um dos escritórios da UNICEF no terreno, “é possível colocar o dinheiro em qualquer parte do mundo em menos de 48 horas e responder às necessidades mais urgentes das crianças e suas famílias”.