Há “muito tempo” que Sara Monteiro ambicionava lançar um single e foi no final de julho que conseguiu concretizar esse sonho. A jovem residente em Soalhães, no concelho Marco de Canaveses, lançou “Escolhas”, um tema que retrata a sua “essência”.

Além de ser “muito importante”, este trabalho é também “especial por ser o primeiro após oito anos a fazer música”. “Finalmente está cá fora algo meu, com a minha essência, daí ser bastante especial”, explica. “É um tema muito importante, tanto a nível pessoal, porque é o resultado de algo que eu já sonhava há muito tempo, como para a minha carreira porque pode ser o início de uma bela carreira”, continua.

A inspiração para esta música surgiu das suas vivências no amor. “Tive uma relação desigual, no sentimento e na entrega ao outro, e decidi colocar no papel tudo aquilo que sentia. Basicamente, este tema fala de um casal desigual. Nesta relação, um dos elementos nunca está presente quando o outro mais precisa, obriga-o a escolher entre ir a algum sítio ou estar com ele, a escolher entre ele e os amigos… enfim! É o retratar do que, na minha opinião, ninguém deve sentir vindo da pessoa que ama”, descreve.

Os primeiros passos no mundo da música começaram em 2014, no “The Voice Kids”. Inscreveu-se sem os pais saberem e “não passava de uma brincadeira”. “Tinha nove anos e passava os dias a cantar em casa, de manhã à noite. Quando pisei o palco do ‘The Voice’ pela primeira vez, percebi que era música que eu queria fazer para o resto da minha vida”, comenta.

Entretanto, Sara Monteiro começou a subir a alguns palcos e, “cada vez que cantava, ganhava mais certezas do que queria” para o futuro. No ano seguinte, participou nos “Pequenos Gigantes” e, juntamente com a equipa, venceu o programa. Aos 15 anos, participou no “La Banda”, da RTP, e começou “a pensar em criar” os seus originais.

“Entretanto, há um ano, conheci três pessoas incríveis: o Rony, o Tiago e o David, da Panela Rec. Eles gostaram de mim e propuseram-me começar a trabalhar nas minhas músicas de uma forma séria e profissional. Sou-lhes muito grata por me terem dado esta oportunidade. Agora, um ano depois, o trabalho começa a sair ‘cá para fora’ para que todos possam ouvir”, conta.

Agora com 18 anos, a jovem natural de Guifões, em Matosinhos, mas residente em Soalhães, sublinha que as suas “ambições no mundo da música são alcançar mais público”: “E que as pessoas gostem tanto das minhas canções como eu gosto. No fundo, o que desejo é que as pessoas se conectem umas com as outras através da minha música, que sintam a música da maneira que eu a sinto”.