A vida pode mudar em apenas um momento. Tudo, como conhecemos, pode alterar-se sem que possamos fazer algo para contrariar. Foi este o sentimento que a jovem Ana Isabel Pereira, natural de Constance, no concelho de Marco de Canaveses, teve com apenas 19 anos, quando descobriu um Linfoma de Não Hodgkin.

Tudo começou após uma ida, de rotina, ao dentista. “Fui extrair um dente e, após esse momento, surgiu um inchaço que não desaparecia por nada. Tudo passou muito rápido, fiz vários exames e análises e, depois, recebi a pior notícia do mundo”, recordou.

Foi então que, após esta “bateria” de exames, o diagnóstico chegou: Linfoma de Não Hodgkin, um tumor que tem início no sistema linfático. “Quando recebemos um diagnóstico destes, parece que tudo deixa de fazer sentido”, disse a jovem. Contudo, e apesar do problema oncológico, Ana Isabel Pereira admite ter tido “a sorte” de estar no estágio um. “Havia muita probabilidade de cura e de que tudo corresse bem”, sublinhou.

A jovem iniciou então os tratamentos de quimioterapia e radioterapia. “A quimioterapia é um tratamento bastante agressivo e em que ficamos muito fragilizados. É um processo doloroso. Foram meses a fazer tratamentos, quando estava a recuperar de uma sessão, já estava a caminho de outra. Foi muito complicado”, disse, emocionada.

Quanto à radioterapia esta foi “mais leve” e não foi difícil de fazer. “É um tratamento mais fácil”, disse. No que respeita aos efeitos secundários, Ana Isabel Pereira não tem dúvidas e admite: “o que mais me custou foi a queda de cabelo. Para uma mulher, o cabelo é das coisas mais importantes, é a nossa imagem de visita, para mim foi, sem dúvida, o pior efeito secundário”.

Atualmente, e já recuperada, Ana Isabel Pereira recorda o papel da família e dos amigos. “Tive a minha madrinha que foi uma pessoa excecional que esteve sempre presente em todas as idas ao IPO do Porto, os meus pais também foram muito importantes, porque lutaram comigo e deram-me muita força. Sou muito grata a todos os que estiveram comigo e que me tiravam sempre um sorriso, mesmo quando tudo estava negro”, descreveu.

Uma das pessoas que também ajudou a jovem de Marco de Canaveses em todo este processo foi o seu namorado, Miguel Ângelo Mendes, que também passou por uma situação semelhante. “Ambos sabíamos o que precisávamos nos piores momentos. Passamos os dois por esta situação, em alturas diferentes. Desde sempre preocupado e esteve sempre comigo. Fez de mim sempre uma mulher feliz, mesmo sem cabelo, dizia que era linda e que estava sempre bonita quando, na verdade, não era isto que eu via e sentia”, mencionou.

A jovem recorda ainda o momento em que recebeu a notícia de que estava livre do problema oncológico: “quando recebi a notícia, foi como se o sol abrisse e brilhasse intensamente, depois de um dia feio de chuva. É começar a vida do zero. É ter mais confiança em nós. É perceber quem realmente gosta de nós e, acima de tudo, agradecer por conseguirmos superar e começar a ver a vida de uma maneira totalmente diferente”.

A jovem garante ainda que, atualmente, é “uma pessoa totalmente diferente”, que toda esta prova de superação a fez crescer. “Mesmo depois de tudo, ainda me sinto mais feliz. Venci uma grande luta. De momento já não vou a consultas, apenas faço análises específicas todos os anos”, acrescentou.

Em jeito de conclusão, Ana Isabel Pereira deixa uma mensagem a todas as pessoas que se encontram a passar por um momento difícil, como ela já passou: “lutem , acreditem em vocês e não se deixem abater. Uso muito uma expressão que é ‘a nossa força de vontade é meio caminho andado para a cura’. Se olharmos para as coisas positivamente o resultado final será o melhor, sem dúvida. Acreditem e, acima de tudo, tenham fé”, concluiu.