Dizem que os segredos para uma relação longa e feliz é o conhecimento, a paciência e a entre ajuda. São vários os casais que chegam aos 25 anos de casamento, contudo são menos aqueles que conseguem atingir as bodas de ouro, os 50 anos de casamento, e poucos os que chegam aos quase 65 anos de casados. 

É este o caso de Maria da Conceição Soares e Cândido Monteiro, naturais de Marco de Canaveses, um casal com quem o Jornal A VERDADE conversou no âmbito do Dia Mundial do Casamento, que se assinala este domingo, dia 13 de fevereiro.

“Éramos vizinhos, vivíamos os dois em Fornos. Eu andava a vender o pão e passava em casa dele. Lembro-me que ele tinha uma namorada e eu também falava para um rapaz, mas gostávamos um do outro”, começou por contar Maria da Conceição Soares. 

Foi então que começou a fase de namoro, em que “todos os momentos” eram aproveitados para estarem juntos. “Eu passava lá com o pão antes de ele ir para o trabalho e aproveitamos para estarmos um bocado juntos. Encontravamo-nos pelo caminho”, recordou.

Chegou então o momento do próximo passo, o casamento, que aconteceu a 25 de dezembro de 1957. “Estava um dia de muita chuva. Lembro-me que fomos todos a pé, de casa até à igreja, porque não havia carros. Quando chegamos à igreja parou de chover e depois esteve um dia lindo de sol. Até colocamos as mesas cá fora, para o copo de água”, relembra.

Dez meses depois do casamento nasceu o primeiro de dez filhos: três rapazes e sete raparigas. “Com muito trabalho, muita responsabilidade e muita freima, lá se criaram todos. Tenho muita sorte que nunca nenhum me deu um desgosto”, disse, acrescentando que “naquela altura, vivíamos com muitas dificuldades, não é como agora. Toda a gente era minha amiga”.

Os filhos mais novos foram criados com a ajuda dos mais velhos. Carla Pinto, a mais nova dos irmãos, garante que é este um dos principais motivos que faz com que a família seja tão unida. “A minha mãe trabalhava e o meu pai só vinha ao fim de semana, porque o trabalho dele era no Porto. Tivemos uma infância muito feliz. Somos muito unidos e isso é muito importante. Acho que esta união dos meus pais, a educação que nos deram, a dificuldade da vida também nos uniu”, garantiu.

Com “força e resiliência”, Maria da Conceição e o seu marido criaram todos os seus filhos e conseguiram construir a sua “casinha”, contando com a ajuda de amigos. “Ainda aqui vivemos”, destacou. 

Maria da Conceição Soares admite que não pensou que teria tantos filhos, contudo “gostava muito de crianças. “Deus deu-me muitos filhos e estou muito feliz com todos eles”. A família cresceu ainda mais e hoje o casal já tem 20 netos e três bisnetos. “Sou muito feliz com eles todos. Dão-me todos mimos, com isto da pandemia não podemos dar abraços. Espero que passe porque sinto falta”, revelou.

Hoje, Maria da Conceição Soares tem 89 anos (faz os 90 amanhã, Dia de São Valentim) e o seu marido, Cândido Monteiro, tem 92 de “ainda faz o campo aqui da frente da casa”. Para os filhos, netos e bisnetos, o casal deseja “que tenham uma vida tão feliz como nós tivemos, até agora”, concluíram.