A Ambisousa, Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, EIM que trata os Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) de toda a população do Vale do Sousa, revela que “de janeiro a abril de 2022, a registou aumentos de 14% no papel, de 5% no vidro e uma redução de 5% no plástico, comparativamente com período homólogo de 2021”.

Os mesmos dedos revelam que “este ano, a Ambisousa, registou na região uma redução significativa da quantidade de resíduos indiferenciados enviados para aterro sanitário, que representa uma redução global de 4%”.

A Ambisousa, Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, registou no ano de 2021, e pelo segundo ano consecutivo, “um aumento de quantidades recolhidas seletivamente de papel, vidro e plástico, estabelecendo um novo record na recolha seletiva de embalagens”, acrecentam.

Comparativamente com 2020, em 2021 registaram-se “aumentos, em todos os municípios, nos três fluxos recicláveis, designadamente 5% no papel, 9% no vidro e 6% no plástico”.

Em comunicado, a Ambisousa indica que iniciou a recolha seletiva nos seus municípios no ano de 2019, pelo que se verificou em 2021 um aumento de 10 kg/habitante, comparativamente com 2018, ou seja no ano prévio ao início da prestação deste serviço.

Para Antonino de Sousa, Presidente do Conselho de Administração da Ambisousa, “comparativamente com outros Sistemas de Gestão de Resíduos Urbanos (SGRU), os resultados alcançados no primeiro trimestre de 2022, no que diz respeito à recolha seletiva, e comparativamente com período homólogo de 2021, conclui-se que Ambisousa foi o SGRU que mais cresceu em Portugal Continental”.

Acrescenta ainda, que “são dados que nos motivam e orgulham e que devem também orgulhar a nossa comunidade pelo importante trabalho e responsabilidade ambiental que é a recolha seletiva”, conclui.