Leonel Silva, natural de Marco de Canaveses, freguesia de Banho e Carvalhosa, emigrou para a Áustria com 18 anos porque “queria conhecer outros países”.

Na altura “estava bem” em Portugal, tinha um trabalho em que “ganhava mais ou menos”, mas o desejo de ter novas experiências levou-o a emigrar para a Áustria, onde começou por trabalhar na construção civil.

O plano inicial era regressar a Portugal ao fim de um ano, a verdade é que se foi “habituando” e ao fim de dois anos conheceu a sua futura esposa com quem acabou por casar ao fim de três anos. Passado vinte anos a família foi crescendo e, hoje, Leonel Silva tem três filhos, Davide e Daniel com 11 e nove anos, respetivamente, e uma menina chamada Tereza com dois aninhos.

A partir do momento em que “construiu uma família”, decidiu “lutar por ela” e, por isso, regressar a Portugal ficou fora de questão.

Apesar de ter a sua vida na Áustria, Leonel Silva não esquece as origens e tenta ir a Portugal uma a duas vezes por ano, juntamente, com a sua esposa. “Este ano ainda não estive por causa do trabalho, no ano passado tive aí duas vezes e para o ano vou viajar novamente até Portugal”, afirma.

Em casa a língua dominante é o alemão, com um negócio nas suas mãos reconhece que tem de “aperfeiçoar a língua”, apesar disso, os miúdos vão falando português e conseguem comunicar com a família que está distante.

Apesar dos primeiros tempos “não serem nada fáceis”, o português acabou por se “acostumar. Eu próprio tive de mudar um bocadinho para me adaptar às pessoas, mas agora vou a Portugal de férias e é tudo bonito, mas ficar aí de vez… não sei”. Por enquanto voltar à terra natal para trabalhar não é uma opção para Leonel Silva, “só na reforma, mas ainda faltam uns aninhos”, diz entre risos.

Quando chegou à Áustria começou por trabalhar numa firma portuguesa que lhe permitiu “correr” muitas cidades do país e, ainda, conhecer a Alemanha. Após o casamento, fixou-se na Áustria junto da sua família.

Como emigrante, Leonel Silva passa o Natal longe da família, sobretudo, derivado ao seu trabalho que lhe ocupa o Natal e Ano Novo por ser a “época mais forte” para o seu negócio. “Passo o dia todo a trabalhar e só fico à noite em casa, normalmente, estou sete dias por semana a trabalhar”, partilha.

Leonel Silva e a sua esposa assumiram um negócio familiar que levam a cabo há oito anos e que hoje conta com um “bar/restaurante, uma pista de ski, diversões para crianças”, entre outros lazeres.

Por enquanto, Leonel Silva pensa em continuar na Áustria, a cuidar da sua família e regressar a Portugal um dia mais tarde.